sexta-feira, 26 de agosto de 2016

CURIOSIDADES

Imagens que acho curiosas e que falam por si.


Meninos vendendo balões nas ruas de Delhi


Cruzamentos e esquinas


Mulheres a lavar roupa à porta de casa


Mais balões à venda no meio do caos


Cães e vacas sagradas alimentando-se do lixo


Mulheres às compras de manhã


Procissão parada para descansar


Lá atrás, um dos espaços que havia por todo o lado, para alimentar as aves com sementes e água


Estampagem artesanal de tecidos


Os moldes e as tintas


Tecelagem artesanal de tapetes


Mais uma procissão com a água sagrada do Ganges

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

BICHOS

É sabido que adoro esquilos.
Pois em toda a Índia encontrei esquilos pequeninos, cinzentos, vivaços que me tentaram por todo o lado. Se pudesse tinha trazido dois ou três cá para a quinta!
Quanto aos outros animais, já tinha falado neles, camelos, elefantes, vacas de todas as espécies, macacos, papagaios, só não consegui fotografar os corvos negros e enormes que estão presentes tanto nas cidades como no campo, para comerem os cadáveres, inclusivamente os humanos.
Sim, os humanos pois em Bombaim passei por um jardim, onde há a Torre do Silêncio ( nome muito poético), onde os Parsis depositam os cadáveres dos seus mortos, para serem comidos e voltarem à natureza.











Só não vi os famosos tigres indianos, foi pena...


quarta-feira, 24 de agosto de 2016

BOMBAIM

Bombaim surpreendeu.me pela grandeza, pela ocidentalidade e cosmopolitismo da cidade. 
A avenida marginal que eles comparam ao calçadão do Rio, poderia se a de qualquer grande cidade marítima, não fossem os saris que nela se passeiam muito mais bonitos que os fatos de treino ou de corrida. 
O transito, esse continua caótico como no resto da Índia, sobretudo em hora de ponta, onde se perdem duas horas para percorrer poucos kms. A vantagem é que não há vacas na cidade, nem tuc-tucs, estão proíbidos.
A presença inglesa está bem patente nas fachadas de alguns edifícios, sobretudo na estação de comboios e nos outros circundantes.


Arredores de Bombaim


Vista ao longe


A ponte super moderna


A avenida marginal com condomínios e prédios de luxo





O centro com edifícios que parecem ter viajado de Londres até tão longe...


terça-feira, 23 de agosto de 2016

GOA

Depois de um rápido voo interno, aterrámos em Goa, a pérola da Índia.
É impressionante a marca da presença portuguesa em todo o lado. Também não saímos de lá há tanto tempo como isso, 1961.
The golden Goa, é um conjunto de edifícios arquitectónicos do séc. XVI, só as igrejas e catedrais se mantém em pé.



Restos mortais, incorruptos, de S. Francisco Xavier, na Basílica do Bom Jesus.



Igreja de S. Francisco de Assis




A Sé Catedral


O que resta da Igreja de S. Agostinho



As ruas de Goa antiga, nitidamente portuguesas


O mercado de Goa com os seus frutos e legumes exóticos.




Cruzeiro no rio Mandovi, por do sol e cabo Raj Bhavan


Os coqueiros presentes em todo o lado




Museu arqueológico, estátua de Camões que esteve numa das praças de Goa


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

SAMODE

Safari de jeep através da cordilheira de Aravalli, com visita às aldeias e almoço num belo palácio.
Lá bem no alto, o templo do Deus macaco, com mais de mil degraus estreitinhos, monte acima, só para quem não tinha pecados ou precisava de purificar muitos.
Por todo o lado macacos, muitos...









Muitos destes palácios onde almoçamos, que visitamos, são ainda propriedade dos marajás, dos grandes senhores e alguns ainda habitados pelos mesmos, mas que se encontram parcialmente transformados em hotéis, museus, restaurantes, spas, etc, como forma de angariar dinheiro para os manter. 
Fabulosa a colecção de carros antigos, nas garagens abertas, num dos pátios do palácio!